Qualidade de Som
texto produzido por Silvio Sakata
Todos os direitos autorais reservados
Disponibilização AutoSom.net http://autosom.net

Neste artigo vamos abordar o assunto Qualidade de Som, porém irei enfatizar a Precisão Tonal e o Equilíbrio Espectral, mostrando fatores importantes que devem ser levados em conta e que muitas vezes são esquecidas ou até nem são conhecidas.

Também irei iniciar um pequeno Dicionário de Termos Audiófilos, começando por termos aplicáveis à Precisão Tonal e ao Equilíbrio Espectral, depois continuaremos com termos referentes à Imagem Sonora e ao Palco Sonoro.

Muitas vezes, como audiófilo ou no meu dia a dia, vejo uma confusão enorme no uso de termos referentes à Qualidade de Som, mais especificamente em se tratando de Precisão Tonal; termos tipo: “O agudo está nervoso”, vai ver o agudo estava mal humorado nesse dia...

Para evitar esse tipo de comentário, é que me propus a fazer o Dicionário.

Vamos relembrar rapidamente o que é Precisão Tonal e Equilíbrio Espectral.

Precisão Tonal é a qualidade do som nas quatro faixas de freqüência (Sub grave, médio grave, médios, agudos), analisadas separadamente.

Dessa vez irei mostrar como devemos ouvir a Precisão Tonal, levando em conta as características básicas do tom, que são:

•  Intensidade: o mesmo que nível sonoro em decibéis (dB).

•  Altura: Qualidade subjetiva de um som que determina sua posição em uma escala musical.

•  Timbre: É a interação das harmônicas e suas fundamentais de um som que dão a ele a sua assinatura sônica.

O Timbre é uma das características mais difíceis para um sistema reproduzir.

•  Harmônicos: Múltiplos de uma freqüência original que se somam e modificam essa freqüência original. Uma onda senoidal* pura (1 kHz por exemplo) é livre de harmônicos.

•  Duração: literalmente, a duração de um som.

•  Ataque : É o tempo em que um som leva para se formar.

•  Declínio : É o tempo em que um som leva para morrer.

 

 

Analisando um sistema de áudio (Ouvindo):

Quando analisamos um sistema de áudio, devemos primeiramente, analisar o equilíbrio espectral.

Pois o sistema para ser analisado deve tocar no mínimo equilibrado, ou seja, sem que nenhuma freqüência soe exagerada ou atenuada.

Devemos ouvir se a transição entre as freqüências ocorrem de maneira suave.

Por exemplo, se analisarmos um sistema com excesso nos sub graves, não conseguiremos ouvir com precisão as outras faixas de freqüência (médio graves, médios e agudos).

Com o sistema equilibrado podemos começar a analisar a qualidade, de uma maneira um pouco mais detalhada.

Faixas de frequencia:

Sub graves de 0 Hz até 60 Hz

Médio graves de 60 Hz a 200 Hz

Médios de 200 Hz a 3 kHz

Agudos de 3 kHz a 20 kHz.

 

 

O que devemos ouvir?

Sub Graves: Os sons produzidos nessa faixa de freqüência devem ser realísticamente pesados, articulados e livres de distorção. A extensão de baixa freqüência acurada é uma característica desejada, porém é necessário algum trabalho em relação ao setup das caixas.

Médio Graves: Estes devem ser reproduzidos suavemente com boa articulação e detalhe.

Médios: As vozes devem soar plenas e naturais, sem características artificialmente nasais. Todos os instrumentos devem soar realísticamente sem picos, zumbidos ou distorção.

Agudos: Estes devem soar acurados, suaves, não muito velados nem muito brilhantes e não devem exibir qualquer aspereza, zumbido, sibilância ou distorção excessivos.

Os termos que podemos usar nas faixas de frequencia são, resumidamente:

Os sub graves devem ser: extensos; livres de distorções; com impacto; velozes.

Os médio graves devem ser: articulados, abertos, claros, com impacto, velozes, com dinâmica.

Os médios devem ser: suaves, abertos, claros, com dinâmica e com extensão.

Os agudos devem ser: extensos, claros, abertos, suaves, doces

Os sub graves NÃO devem ser: pouco extensos, duros, de uma nota só.

Os médio graves NÃO devem ser: não articulados, lentos, imprecisos.

Os médios NÃO devem ser: coloridos, anasalados, estridentes, fechados.

Os agudos NÃO devem ser: brilhantes, fechados, metálicos, duros, sibilantes, não integrados.

 

Glossário (parte 1)

Acuidade: 1) A sensibilidade dos ouvidos para sons muito baixos. 2) A habilidade adquirida por um audiófilo para ouvir e atribuir qualidades dos sons reproduzidos.

Agressivo: Som reproduzido que é excessivamente acentuado e brilhante

“Á” (rima com “Pá”): A coloração vocálica causada por um pico em 1000 Hz na resposta de frequencia.

Ambiência: Percepção e impressão de um espaço acústico, como por exemplo, a sala onde foi feita a gravação.

Analítico : Muito detalhado, ao ponto do excesso.

Articulação: 1) Clareza e inteligibilidade, usualmente na reprodução de vozes. 2) A reprodução dos detalhes em sons complexos, que nos faz conseguir distinguir facilmente uma voz da outra.

Ataque: 1)A formação de som quando um instrumento é dedilhado, assoprado, ou percutido.

2) A habilidade de um sistema reproduzir os ataques/transientes numa música. Um ataque pobre faz um sistema soar lento.

Auto-decepcionante sugestivo ; ouve alguma coisa que não está lá, só porque você disse a ele que está.

Com Ar: Pertinente aos agudos que soam leves, delicados, abertos. Qualidade de sistemas que tem os sons agudos muito suaves, macios e polidos e com grande extensão em altas frequencias.

Com Vida : A qualidade de um som reproduzido que nos dá a impressão de que os músicos estão presentes, em pessoa, na sala de audição.

Transiente de Ataque : O pulso inicial de energia de um som de percussão, como as das cordas de um piano, triangulo, ou bateria.

"Óó" (rima com "pó"): Coloração vocálica causada por um pico na resposta de frequencia centrada em aproximadamente 450 Hz. Uma coloração “Ó” tende a enfatizar o som de instrumentos grandes de metal (trombone, tuba).

Precisão: O grau de precisão das características sônicas em que o sinal de saída de um componente ou sistema é percebido em relação ao seu sinal de entrada. Um equipamento/componente acurado reproduz fielmente o que está gravado.

Clean: Livre de distorções audíveis.

Fechado : Deficiente em abertura, delicadeza, ar, e detalhes finos. Um som fechado é usualmente causado pela falta de alta frequencia (acima de 10 kHz).

Congestivo: Sujo, confuso, turvo, e achatado. Totalmente isento de transparência.

Frio: Moderadamente deficiente em corpo e calor, devido à atenuação progressiva de frequencias abaixo de 150 Hz.

Vitrificado: Muito brilhante.

Pesado: Excessivamente grave. Muitos graves.

Mudo : Escuro, sem vida, fechado.

Neutro : Livre de colorações.

Opaco: Sem detalhe e transparência.

Presença: A qualidade de realismo e existência, como se os instrumentos existissem realmente.

Estado da Arte : Pertinente aos equipamentos cuja performance é melhor do que a tecnologia permite. O melhor equipamento de som que o dinheiro pode comprar.

Doce: Que tem as frequencias altas brandas, suaves e macias.

Visceral: Produz uma sensação de pressão no corpo (impacto).

Coloração Vocálica: Uma forma de coloração dos médios e agudos-baixos que nos dá a impressão de que todo o material de programa tem um sabor que realça as vogais na fala

Vimos que o mundo dos termos audiófilos é um tanto rico em detalhes, esta é uma pequena parte dos termos audiófilos que irei continuar a passar nas minhas matérias.

Com esses termos podemos fazer comentários de forma clara e precisa, em vez de fazermos comentários como citei no começo da matéria.



Mais Artigos - Procurar
Artigos AutoSom.net - Todos os direitos reservados - cópia somente mantendo autoria e procedência
AutoSom.net © | 1997/2016 | Copyright, Direitos Reservados | http://autosom.net | Contato